Noticias

Moza aposta na inclusão financeira
15/05/2017

O Moza quer aproveitar o processo de recapitalização para continuar a melhorar os seus serviços e expandir a banca para as zonas mais distantes das principais cidades. Esta informação foi avançada pelo seu Director de Canais Electrónicos, Marco Abalroado.

Em Moçambique, apenas 20% da população têm acesso à banca. Para alterar esta realidade, e levar os serviços bancários à maioria da população, o Moza está a desenvolver diversos produtos, com ênfase para o uso da tecnologia.

As perspectivas expansionistas do Moza, surgem num período em que as diferentes instituições nacionais e internacionais perspectivam melhorias para a economia moçambicana a curto prazo. Com esse cenário a desenhar-se, o Director de Canais Electrónicos do Moza, Marco Abalroado, diz ser possível buscar para Moçambique, soluções menos complexas e que se provaram eficazes em outros mercados. 

"Se olharmos para o sistema bancário moçambicano, á partir de uma perspectiva de produtos que provavelmente não são tão complexos, como os usados em mercados mais maduros como o Americano e o Europeu, vemos claramente que existem várias oportunidades para desenvolver soluções inovadoras, distintas e eficazes para o país.”

Uma da formas de acelerar a inclusão financeira é, de acordo com Marco Abalroado, intensificar-se a aposta nos agentes bancários, principalmente nas zonas rurais.

“Um agente bancário é um ponto de venda que processa transacções de clientes em representação de um banco,” explica Abalroado que defende ser, neste momento, importante ver como o Banco “pode chegar efectivamente até a população”.

Quando em 2011 Abalroado passou a integrar a equipa do Moza Banco, imediatamente notou que Moçambique tinha um sistema bancário desenvolvido, com tecnologia avançada, no uso de mobile banking. Esta realidade não deixa dúvidas em relação ao caminho que a banca moçambicana deve seguir e que o Moza pretende liderar.

"Se olharmos para países semelhantes, por exemplo, o Brasil, a banca atingiu a maioria da população através de agentes bancários. Acho que o agente bancário e a banca móvel são soluções privilegiadas para nos aproximar-mos da maioria da população moçambicana”, defende Abalroado.

Apesar do Moza estar a fazer um esforço para colocar Unidades de negócio em todo o País, o Director de Canais Electrónicos daquela instituição, lembra o desafio que isso implica tendo em conta as dimensões do país:

“O País dispõe de cerca de 600 Agências bancárias, mas é preciso ter em mente que este é um país enorme, com 2.500 quilómetros de norte a sul e 1.000 de leste a oeste. 600 Agências são literalmente nada. Para que o país esteja coberto, precisaríamos de cerca de 3.000 agências. Realisticamente, é pouco provável que isso aconteça no curto prazo.”

Perante esta realidade, Abalroado acredita que a solução passa pela expansão do projecto “Banco do Merkado” combinada com a criação de uma ampla rede de agentes bancários.

Neste momento o Moza está numa fase de recapitalização o que é visto por Marco Abalroado como uma oportunidade para o Banco reforçar o seu posicionamento e o seu contributo para o desenvolvimento do país.

"Nós estamos actualmente num processo de recapitalização que, aquando da sua concretização, certamente irá impulsionar-nos para continuarmos a nossa história e tornarmo-nos num dos bancos mais relevantes do país. Devemos isso ao país: facilitar o acesso e uso de serviços bancários".

Moza abre balcões em Vanduzi, Gondola e Murrupula
19/12/2016

O Moza inaugurou ontem três novas Unidades de Negócio sendo duas nos Distritos de Vanduzi e Gondola, na província central de Manica, e uma terceira em Murrupula, na Província de Nampula.

A abertura destas Agências insere-se no âmbito da iniciativa presidencial “Um Distrito um Banco” liderada pelo Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural, através do Fundo Nacional de Desenvolvimento Sustentável, e que preconiza que todos os distritos do País tenham pelo menos uma Agência Bancária até 2019.

As cerimónias de inauguração em Vanduzi e Gondola, foram presididas pelo Governador da Província de Manica, Alberto Mondlane, na presença da Secretária Permanente do MITADER, Sheila Afonso; do Administrador Executivo do Moza, Manuel Guimarães, e dos Administradores Distritais. Esteve ainda presente no Distrito de Gondola, o Presidente do Conselho Municipal para além de outros membros dos governos provinciais, distrital, colaboradores do Moza e populares.

Já em Nampula, o acto foi testemunhado pela Secretária Permanente do Governo Provincial, Verónica Langa; a PCA do Fundo de Desenvolvimento Sustentável, Augusta Maita, o Administrador do Distrito de Murrupula, António Saul; Administrador Executivo do Moza, Vítor Brazão e demais convidados.

Na sua intervenção, o Governador de Manica, Alberto Mondlane, manifestou a sua satisfação pela inauguração de 2 Balcões em dois distritos da província o que simboliza, para os habitantes dos Distritos de Vanduzi, Gondola e da Província de Manica, “a abertura de mais um horizonte e perspectiva de desenvolvimento que

têm como base não só de intermediação financeira como também da promoção da economia”.

Mondlane reiterou o total apoio e disponibilidade do Governo em cooperar naquilo que for necessário para o desenvolvimento de actos tendentes a melhoria da vida dos cidadãos e fortificação do sector bancário.

No mesmo diapasão, a Secretária Permanente da Província de Nampula, Verónica Langa, saudou a Administração do Moza pela expansão da sua rede comercial e dos serviços bancários a ela anexos, dedicando atenção não apenas aos actuais clientes mas também a população do meio rural.

Para as autoridades governamentais de Nampula, a cobertura bancária nas zonas rurais no âmbito do projecto “um Distrito, um Banco” é uma questão de desenvolvimento, igualdade de oportunidades, remoção de assimetrias e de promoção de justiça social.

Gostaria assim de parabenizar ao Moza Banco pela Materialização deste projecto que vai alavancar o uso de instituições bancárias no meio rural. A existência de mais um Banco é um bom sinal de crescimento económico, pois não se pode falar de desenvolvimento de uma região sem que exista uma relação de cumplicidade entre os agentes económicos e o sector bancário e outros intervenientes”, considerou.

Para os representantes do MITADER, a inauguração destas Agências irá permitir reduzir o défice de Distritos no País sem cobertura de rede bancária à altura fixado em cerca de 72, de um total de 152 distritos, pelo que enalteceram o esforço empreendido pelo Moza e por todos actores envolvidos no desenvolvimento do sector financeiro que lado a lado com o Governo participam activamente na melhoria do acesso inclusivo aos serviços financeiros.

Por seu turno, os Administradores do Moza manifestaram a sua satisfação pela expansão dos seus serviços, considerando que com a instalação dos novos balcões, a população daqueles distritos e das zonas circunvizinhas, incluindo funcionários públicos, comerciantes e empresas locais passam a ter “à porta” um Banco onde podem convenientemente e segurança realizar operações bancárias e encontrar as soluções financeiras mais adequadas às suas necessidades específicas.

Refira-se que com estas novas Agências, o Moza passa a ter uma rede de 55 unidades de negócio em todo o País, incluindo os balcões no interior dos mercados, que totalizam já 10 unidades, espalhadas por 3 províncias dos País, nomeadamente Maputo, Sofala e Nampula.

Maputo, 16 de Dezembro de 2016

Moza Inaugura 4 Agências em Maputo
02/12/2016

No âmbito do processo de alargamento da cobertura da rede comercial, com o intuito de estar cada vez mais próximo dos seus Clientes e público em geral, o Moza Banco inaugurou no passado dia 29 de Novembro de 2016, quatro novas Agências em Maputo. Trata-se da Agência Machava-Sede localizada na Av. Josina Machel Nº 1601, Loja 9, Machava; Agência Jardim sita na Av. de Moçambique nº 2081; Agência Coop sita na Av. Vladmir Lenine, PH.8, Rés-do-chão, Bairro da Coop, e Agência Praça dos Trabalhadores situada na Av. Guerra Popular nº 26.

A cerimónia de inauguração foi dirigida pelo Presidente do Conselho de Administração do Banco, Dr. João Figueiredo, na presença de representantes das autoridades municipais de Maputo e Matola, líderes tradicionais, do Presidente da Associação Moçambicana de Bancos, do Director da Filial de Maputo do Banco de Moçambique, Clientes, parceiros, colaboradores do Banco e público em geral.

Intervindo na ocasião, o PCA do Moza referiu ainda que a abertura das quatro agências tem um significado especial, na medida em que representa um passo firme e seguro no sentido de se alcançar a missão que o banco tem pela frente. “Desde que iniciei funções no Moza Banco a minha principal preocupação e dos meus pares da Administração, tem sido de normalizar a instituição, e o facto é que através de um conjunto de medidas implementadas, neste curto espaço de tempo, já temos resultados objectivos, tanto a nível interno, assim como na relação com os nossos Clientes e os diferentes Stakeholders", disse. 

O Presidente do Conselho de Administração salientou que o Moza mantem-se como um Banco relevante no sector financeiro nacional, com uma estrutura orgânica bem definida, com processos internos consolidados, sistemas tecnológicos sofisticados, uma vasta rede de infra-estruturas e sobretudo, um quadro de colaboradores competente e profissional, composto na sua maioria por Jovens Moçambicanos, dinâmicos e com vontade de marcar a diferença.

Terminou agradecendo aos Clientes e parceiros do Moza, pela confiança que tem depositado no Banco mesmo nos momentos mais difíceis, reafirmando a aposta da nova Administração e do colectivo de trabalhadores do Banco, em assegurar a prestação de um serviço de qualidade, que responda às suas necessidades e expectativas.

Refira-se que com a abertura destas novas Unidades de Negócio o Moza reforça o seu posicionamento de um banco relevante no sistema financeiro nacional, com uma rede bancária de mais de 50 Unidades de Negócio distribuídas por todas as províncias do País.

Para mais informações e esclarecimentos adicionais, agradecemos o favor de contactar a Direcção de Comunicação e Qualidade , acessando à nossa página de Apoio ao Cliente.

Maputo, 29 de Novembro de 2016